Em nota, presidente do TCE-PR explica decisão de restringir transporte em Curitiba

Municipal

O conselheiro Fabio Camargo, presidente do Tribuna ...

Em nota, o presidente do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), conselheiro Fabio Camargo, explicou as razões que o levaram a emitir medida cautelar restringindo o transporte coletivo de Curitiba a partir deste sábado (Confira aqui a reportagem).  A principal justificativa para a medida é o colapso do sistema de saúde da capital, que não tem sequer um leito disponível para o tratamento intensivo de pacientes com a Covid-19.

 

NOTA DO PRESIDENTE

Quero comunicar a todos que no início da tarde desta sexta-feira (19) determinei que o Município de Curitiba restrinja o funcionamento do transporte coletivo da capital a partir de zero hora deste sábado, dia 20 de março de 2021.

Ao mesmo tempo, que assegure o fornecimento de transporte aos trabalhadores da área da Saúde, que não podem parar, e aos que atuam nas demais atividades consideradas essenciais.

O sistema de Saúde de Curitiba, infelizmente, colapsou. Não temos, segundo dados da própria prefeitura divulgados na data de hoje, nenhum leito para receber os pacientes com Covid-19 que necessitem de atendimento. Nunca tivemos tantos casos e tantas mortes em Curitiba.

Nesta crise sem precedentes que atravessamos é necessário urgentemente restringir a circulação de pessoas para frear o avanço do contágio.

IMPORTANTE destacar que cabe ao Tribunal de Contas fiscalizar a eficácia e a eficiência da prestação de serviços públicos, nos termos do art. 1° XIII da Lei Complementar n° 113/2005. Particularmente quando se está diante de uma situação de agravamento da crise sanitária na área da saúde pública, com o esgotamento de todas as alternativas que impeçam a escalada da perda de vidas.

Algumas cidades do Paraná já suspenderam o funcionamento do transporte público. O Tribunal de Contas está promovendo consultas para verificar a realidade em outros municípios, em especial as maiores cidades.

Neste momento, a suspensão não alcança os municípios da Região Metropolitana. Mas, uma vez que parando o transporte público de Curitiba, a tendência é de uma considerável redução de passageiros nos ônibus que chegam à capital. 

Deixo aqui meus sentimentos para todas as famílias que sofrem a dor irreparável de perder alguma pessoa querida por causa da Covid-19.

 

Autor: Diretoria de Comunicação Social Fonte: TCE/PR

 
   
 

Enviar

 
   
 
   

Enviar